Novembro Negro: Mulheres negras avaliam cenário e participações políticas

Na tarde de terça-feira (27), aconteceu no Auditório da Antiga Reitoria o debate “Mulheres Negras na Política”, com a participação da estudante de psicologia, presidente do PSOL Santa Maria e candidata a Deputada Estadual pelo PSOL, Alice Carvalho; a professora da rede estadual e também candidata a Deputada Estadual pelo PSOL, Karen Santos; a iyalorixá, educadora, psicóloga e candidata a Deputada Estadual pelo PT, Iyá Sandrali e a professora estadual aposentada, alfabetizadora, escritora e patronesse do Mês da Consciência Negra da UFSM, Maria Rita Py Dutra e mediação da pesquisadora e cientista social Andressa Mourão Duarte. A atividade organizada pela Assufsm compõe a programação unificada do calendário do Mês da Consciência Negra.

Ao abrir a mesa, a patronesse Maria Rita, fez sua fala em memória a Jucineide Vaz dos Santos, dirigente sindical, vereadora municipal do PT, ativista no movimento negro, atuante na Escola de Samba Vila Brasil e funcionária do Instituto Metodista Centenário, falecida no último dia 20 em decorrência de um acidente de trânsito.

         Maria Rita relembrou a trajetória de Jucineide trazendo aspectos, enquanto mulher negra, mãe, amiga e ativista; e reforçou que enquanto espírita, a morte não precisa ser dolorosa. “Não é momento de chorar pessoal… Eu acho que Orun está em festa porque ela partiu, mas deixou o seu perfume em cada um e cada uma de nós aqui presente”, desabafa a patronesse.

Após a fala da patronesse, que arrancou muitos aplausos e emoção dos presentes, a professora da rede estadual e também candidata a Deputada Estadual pelo PSOL, Karen Santos, enfatizou a importância de falar sobre racismo estrutural, estruturante e institucional. “Essa discussão é muito importante principalmente no momento em que estamos vivendo e também de pensar qual é o nosso compromisso enquanto organizações, instituições, coletivos. Estamos conseguindo levar essa discussão a sério? Pensando num Brasil que ainda vive o mito da democracia racial”, enfatiza a Karen.

         Ao longo de sua fala a educadora destacou que atualmente o protagonismo das mulheres negras vem ganhando bastante destaque, sobretudo após do assassinato de Mariele Franco. “Discussões que envolvem a interseccionalidade de raça, classe, gênero, sexualidade, regionalidade estão sendo postas para entender como acontecem os processos de luta”, reforça.

Em consonância, a presidenta do PSOL Santa Maria, Alice Carvalho, durante sua fala destacou que é importante considerar cada especificidade de luta para garantir a quebra da estrutura opressora. “Por exemplo, a partir do movimento feminista que é majoritariamente branco, as mulheres conseguiram sair do espaço privado para ir para espaços públicos e ocupar movimentos políticos – e que mesmo assim continuam com uma sub-representação – deixou as mulheres negras a parte. Ou seja, nós continuamos nos espaços privados, muitas vezes cuidando da casa e dos filhos dessas mulheres para que elas pudessem ir para o espaço público”, explica Alice.

A presidenta do PSOL Santa Maria destacou em ainda que os modos de fazer política vão além de partidos, mas nas vivências cotidianas e só a partir do movimento de mudança e inserção nos espaços sociais que é possível uma mudança estrutural na sociedade.

A última fala, mas não menos importante foi de Iyá Sandrali. Ao iniciar a educadora se dirigiu até a tribuna e declarou “Eu desci para esse espaço da tribuna porque já que criaram, nós também precisamos ocupar. Isso é um ato simbólico e um ato político”.

Iyá Sandrali contou sobre a trajetória e as histórias de luta, enfrentamento e resistência dos ancestrais de sua família. Para ela, fazer política não é algo individual, mas coletivo e levando em consideração as mulheres negras, fazer política é força vital. “Para nós é vital e tem nos conduzido a novas possibilidades e para que sejamos humanas e que nos relacionemos melhores umas com as outras”, afirma a educadora. Iyá Sandrali enfatiza que é na luta dos antepassados que estão os maiores legados da população negra. O movimento político que iniciou na diáspora em meados do século XVI, protagonizado por mulheres e homens negros perdura até hoje.

Encerrando o debate, a educadora relembra a dívida histórica que o processo de colonização exploratório deixou para a população negra e reforça que: “A paz se faz na guerra e, por isso, desde que chegamos lutamos contra as opressões. Por isso aqui não falamos em direitos humanos, mas sim em justiça social”.

Postagens recentes

Geral

14 de agosto –  Dia dos Pais

A Assufsm deseja a todos os Pais, responsáveis, mães solo, tios(as), avós e demais pessoas que realizam esse papel, um dia de muita alegria com

Ler mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.